Menstrual faz algum bem ?

terça-feira, 2 de março de 2010

Paroxetina e fluoxetina não deve ser usado por mulheres que tomam tamoxifeno

18 de fevereiro de 2010 - A paroxetina e fluoxetina não devem ser prescritas para depressão ou fogachos em mulheres que tiveram câncer de mama e estão agora a tomar tamoxifeno para evitar a reincidência. Citalopram ou venlafaxina deve ser considerado em seu lugar.
Esta conclusão advém de um novo estudo mostrando que a paroxetina, por interferir com o metabolismo do tamoxifeno, reduz ou elimina seu efeito protetor contra a recorrência do câncer de mama, causando um risco aumentado de morte por câncer de mama. A paroxetina é um potente inibidor da enzima CYP2D6, que converte o tamoxifeno para seu metabólito ativo, reduzindo a quantidade de droga ativa que é liberada.
"Descobrimos que as mulheres com câncer de mama que receberam paroxetina em combinação com tamoxifeno estavam em risco aumentado de morte por câncer de mama e morte por qualquer causa", dizem os pesquisadores, liderados por Catherine Kelly, MD, companheiro de oncologia médica na Sunnybrook Health Sciences Center, em Toronto, Ontário. O aumento no risco foi diretamente relacionada ao grau de coprescribing, eles observam.
Esses resultados destacam uma interação medicamentosa, que é extremamente comum, amplamente subestimado, potencialmente fatais, mas uniformemente evitáveis.
O estudo, publicado em 8 de fevereiro no British Medical Journal, fornece a evidência "primeira de um efeito clínico do tratamento a longo prazo durante a inibição da CYP2D2 tamoxifeno", segundo um editorial de acompanhamento.
Houve sugestões de presente, mas os dados não foram conclusivos. Dois estudos apresentados na reunião anual do último ano da Sociedade Americana de Oncologia Clínica relataram resultados contraditórios, no entanto, a mensagem aos clínicos era evitar a prescrição os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) paroxetina e fluoxetina em pacientes que tomam tamoxifeno.
Esta é também a mensagem no editorial BMJ, de autoria de Frank Andersohn, MD, e Stefan Willich, MD, do Instituto de Medicina Social, Epidemiologia e Economia da Saúde no Centro Médico da Universidade Charité, em Berlim, Alemanha.
À luz destas conclusões, os médico que tratam depressão ou fogachos em mulheres que tomam tamoxifeno devem evitar prescrever SSRIs, tais como a paroxetina e a fluoxetina, e considerar, em vez de drogas com baixo potencial para inibir a CYP2D6, tais como o Citalopram ou Venlafaxina.
Em pacientes em uso de tamoxifeno, que já estão tomando paroxetina ou fluoxetina, a mudança para outro anti depressivo com pouca ou nenhuma inibição da CYP2D6, deve ser considerada, acrescentam. Mas não há nenhuma justificação para a "interrupção abrupta" de paroxetina ou fluoxetina, relatam. "O potencial de benefícios a longo prazo da interrupção do seu uso ainda não superam claramente os potenciais efeitos negativos da retirada imediata do tratamento com ISRSs (tais como os de recorrência da depressão grave)," afirmam.
O estudo mostrou um efeito sobre o risco de morte por câncer de mama apenas com paroxetina, não com fluoxetina, embora, também, é um forte inibidor da CYP2D6. Os autores especulam que isso se deve ao baixo número de mulheres que tomam fluoxetina neste estudo. Os editorialistas nota que o estudo ainda é necessário, mas, entretanto, "por razões de segurança, a co-prescrição da fluoxetina e tamoxifeno em mulheres com câncer de mama deve ser evitada até que a evidência adicional se torna disponível."
Estudo mostra aumento das mortes por câncer da mama
O estudo publicado por pesquisadores canadenses foi retrospectivo e de base populacional, e inicialmente analisou dados de 24.430 mulheres ao longo de um período de 13 anos (1993 a 2005). Estas mulheres tinham 66 anos ou mais, residentes em Ontário, e estava tomando tamoxifeno depois de um diagnóstico de câncer de mama. Destas mulheres, 7489 (30,6%) receberam pelo menos 1 antidepressivo durante o tempo em que estavam tomando tamoxifeno. Porque algumas mulheres foram excluídas do estudo - por razões como a baixa adesão ao tamoxifeno e morte por causas desconhecidas - havia 2430 mulheres na análise primária.
A maioria dessas mulheres começaram a tomar tamoxifeno dentro de um ano do seu diagnóstico de câncer de mama, bem como a duração média do tratamento com tamoxifeno foi de 4 anos.
Os antidepressivos mais comumente prescritos foi paroxetina (em 25,9% das mulheres), seguido de sertralina (22,3%), citalopram (19,2%), venlafaxina (15%), fluoxetina (10,4%) e fluvoxamina (7,2%). Velhos antidepressivos tricíclicos foram prescritos em 18,3% das mulheres.
Até ao final do seguimento (média de 2,38 anos), um total de 1074 mulheres (44,2%) haviam falecido; câncer de mama foi registrado como a causa de morte em 374 mulheres (15,4%).

"Na primeira análise, verificou-se um aumento do risco de morte por câncer de mama entre as mulheres que receberam paroxetina, um inibidor da CYP2D6 irreversível, em combinação com tamoxifeno", escrevem os autores.
Em contrapartida, esse risco não foi visto com os outros anti depressivos, eles observam.
"A escolha do antidepressivo pode afetar significativamente a sobrevivência em mulheres que receberam tamoxifeno para câncer de mama", diz Kelly e nota dos colegas.
Estimamos que o uso de paroxetina em 41% dos que receberam tratamento com tamoxifeno (mediana se sobrepõem na nossa amostra) resultaria em 1 morte adicional de câncer de mama no prazo de 5 anos após a descontinuação do tamoxifeno para cada 19,7 paciente assim tratado ", explicam.
"O risco mais abrangentes sobreposição seria maior", acrescentam.
Aumento absoluto de 25%, 50% e 75% na proporção do tempo sobre o tamoxifeno com o uso de sobreposição de paroxetina foram associados com um aumento de 25%, 54% e 91%, respectivamente, no risco de morte por câncer de mama , o relatório dos investigadores. Cada comparação foi estatisticamente significativa (P <.05).
"O aumento do risco foi diretamente relacionada com a extensão da coprescrição e é consistente com a hipótese de que a inibição do CYP2D6 irreversível por paroxetina pode reduzir ou suprimir a vantagem de sobrevivência atribuídas pela terapia de longo prazo com tamoxifeno em pacientes com câncer de mama", escrevem os pesquisadores.
"Nossos resultados são consistentes com um corpo emergente da literatura, indicando o papel crítico na ativação do CYP2D6 metabólicos e eficácia clínica do tamoxifeno", acrescentam. 
Entre os artigos citados vários são por Mathew Goetz, MD, e colegas da Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, que foram sobre como teste para CYP2D6 pode identificar as mulheres que são metabolizadores pobres do tamoxifeno e que são, portanto, susceptíveis de reagir tão bem à droga. 
No entanto, um recente editorial no Journal of Clinical Oncology sugere que os dados até à data não são suficientemente claras para o uso rotineiro de tais testes, que não concordam, porém, que o uso de drogas que são conhecidos por inibir CYP2D6 são ser evitado em mulheres tomando tamoxifeno.
Os editorialistas e de todos os autores, exceto para o 1 não revelaram relações financeiras relevantes. Kathleen Pritchard, MD, de Sunnybrook Health Sciences Center, relatórios atuando como um consultor e recebem financiamento da pesquisa de várias empresas farmacêuticas, conforme detalhado no documento.
BMJ. Publicado em 9 de fevereiro de 2010.
 

Um comentário:

Adriano disse...

Bom dia, no caso de homens com ginécomastia, no meu caso fui indicado por um Endocrinologista a tomar tamoxifeno por 3 meses, 20mg dia,porém eu tomo paroxitina e o médico me disse não haver problema. Fico na duvida em relação ao perigo da combinação dos medicamentos e se devo tomar o tamoxifeno mesmo nesse caso.
Att,