Menstrual faz algum bem ?

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

A Cesárea aumenta a mortalidade materna


NOVA YORK (Reuters) 11 de janeiro - Uma pesquisa global da OMS demonstra que os partos cirúrgicos põem em risco aumentado as mulheres de terem eventos adversos, incluindo a morte.

O grupo recomenda que a cesariana seja feita somente quando houver indicação materna ou fetal.

O artigo, publicado em 12 janeiro na revista The Lancet, relata a terceira fase da pesquisa mundial da OMS, que foi realizado em 9 países asiáticos em 2007 e 2008: Camboja, China, Índia, Japão, Nepal, Filipinas, Sri Lanka, Tailândia, e Vietnã.

Abrange os resultados de quase 108.000 partos em 122 hospitais.

Os relatórios anteriores vieram da América Latina e África.

Segundo o primeiro autor Dr. Pisake Lumbiganon de Khon Kaen University, Tailândia e associados, a taxa global de cesarianas foi de 27,3%, ea taxa de parto operatório foi de 3,2%.

As indicações mais comuns para cesárea foram: Cesárea anterior, desproporção feto-pélvica, sofrimento fetal.

A China teve o maior índice (46,2%) de cesarianas, e de longe a maior taxa de cesarianas sem indicação (11,7%). O país com a segunda maior taxa de não-indicada a cesariana foi o Vietname, a 1%.

Comparado com partos vaginais espontâneos, de partos vaginais foram associados significativamente mais mortes maternas, com um odds ratio (OR) de 3,1.

Qualquer procedimento cirúrgico aumentou a mortalidade materna e índice de morbidade. Definida como: transfusão de sangue, a histerectomia, ligadura da artéria ilíaca interna, morte ou internamento em UTI.

Especificamente, em comparação com a parto vaginal expontâneo, o RUP para a mortalidade materna ou índice de morbidade foram;

  • 2,1 para o parto vaginal operatório,
  • 2,7 para pré-parto cesárea sem indicações,
  • 10,6 pré-parto por cesariana, com indicações,
  • 14,2 por parto cesárea sem indicações, e
  • 14,5 por cesariana intraparto com indicações .

Para recém-nascidos, o risco de mortalidade foi:

  • significativamente aumentada com o parto vaginal operatório (OR 1,6)
  • e parto cesárea, com indicações (OR 1,5),
  • mas diminuiu com o pré-parto cesárea sem indicações (OR 0,3).

Para pélvicos e outras apresentações anormais, a cesariana - ou anteparto ou intraparto - reduziu significativamente o risco de mortalidade perinatal, mas elevou o risco de uma estada prolongada na UTI neonatal.

A mortalidade perinatal e índice de morbidade (definida como a morte ou internação em UTI neonatal de 7 dias ou mais) foi:

  • significativamente superior ao parto vaginal operatório (OR 1,9),
  • com indicação de pré-parto cesárea (OR 1,9),
  • e com indicação de parto cesárea (OR 2,1) .

Dr. Lumbiganon e associados defendem que "a descoberta mais importante da pesquisa é o aumento do risco de mortalidade e morbidade materna grave ... em mulheres submetidas à cesariana sem indicação".

O aumento do risco deve-se principalmente ao aumento das taxas de internação em UTI e transfusão de sangue.

"Se esta operação é limitada a indicações médicas e uso desnecessário é evitado, os recursos serão utilizados para uma necessidade e não serão tomadas em outras partes do sistema de saúde", escrevem os autores.

Em um comentário, o Dr. Yap-Seng Chon e Dr. Kenneth YC Kwek da Universidade Nacional de Cingapura sugerem que "o investimento em treinamento e orientações mais claras para o parto vaginal após cesariana, gestão intraparto monitorização fetal, e versão cefálica externa pode ter mais efeito. "

Eles continuam, "Há pouca coisa de errado com intervenções médicas, quando indicado, mas para aqueles que ainda estão inclinados a considerar cesariana uma opção inofensivos, eles precisam ter um olhar frio e duro para as provas."

Nenhum comentário: